sexta-feira, 26 de maio de 2017

Cientistas israelenses anunciam um novo tratamento para o ALS com possíveis aplicações em Alzheimer e Parkinson

A droga foi desenvolvida na Universidade Ben-Gurion e é esperado para chegar em breve à fase clínica

26/05/2017 | Cientistas da Universidade Ben-Gurion em Israel descobriram um tratamento revolucionário para a esclerose lateral amiotrófica (ELA), também conhecida como doença de Lou Gehrig, até agora incurável e provoca a morte dentro de poucos anos. Conforme relatado pelo jornal "The Times of Israel" este progresso, melhora a função cerebral e expectativa de vida de pacientes com ELA, também pode beneficiar pessoas que sofrem de Parkinson e Alzheimer.

De acordo com um comunicado de imprensa da Universidade Ben-Gurion, no deserto do Negev de Israel, Dr. Rachel Lichtenstein tem sido capaz de retardar a progressão da ALS. Ele conseguiu parar a atividade de células gliais, células do tecido nervoso em pacientes que ferem e matam o corpo de neurônios motores. Este tratamento não consegue restaurar o sistema imunológico do sistema nervoso central mas aumenta a expectativa de vida em pacientes com ELA que geralmente não superior a dois ou três anos.

Dr. Lichtenstein participou do desenvolvimento de um medicamento para o tratamento de certas doenças auto-imunes e cânceres e que já foi aprovado pelo FDA (Food and Drug Administration), a Food and Drug Administration dos Estados Unidos. Essa pesquisa tem servido para criar uma nova molécula eficaz no tratamento da ELA.

Lichtenstein disse, tem usado a droga em ratinhos transgénicos ALS afetados e que os animais experimentaram um aumento significativo na sua esperança de vida. "Desde que a droga já esteja aprovada, vamos precisar de menos fase pré-clínica e clínica vai chegar antes de outras investigações", disse o cientista israelense, citado pelo "The Times of Israel".

"Isso também poderia ter implicações importantes para a expectativa de vida de outros pacientes de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson", disse Dr. Ora Horovitz, vice-presidente de desenvolvimento de negócios de BGN Technologies, uma empresa associada com Ben-Gurion University na transferência de tecnologia. "Nossa nova droga candidata poderia ser eficaz na melhoria do mecanismo de auto-limpeza do cérebro humano, melhorando assim a vida de milhões de pessoas." Os investigadores estão agora à procura de uma empresa farmacêutica que desenvolva a droga.

ALS, que afeta a décadas o famoso cientista britânico Stephen Hawking, não tem cura. uma média de dois novos casos diagnosticados por 100.000 pessoas por ano, principalmente pessoas entre 55 e 65 anos. Pacientes perdem progressivamente habilidades motoras, mas não a consciência nem a lucidez de seus cérebros. O caso de Hawking é incomum porque a grande maioria dos pacientes morrem dentro de poucos anos após o diagnóstico. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Faro de Vigo.

Um comentário: