sábado, 25 de março de 2017

Pesquisadores anunciam resultados promissores para pacientes com Parkinson - Leukina

As pessoas que participam em ensaios clínicos de uma nova droga para tratar a doença de Parkinson estão mostrando sinais de melhoria da habilidade motora, pesquisadores da Universidade de Nebraska Medical Center, disseram.

24 de março de 2017 - OMAHA, Nebraska - As pessoas que participam em ensaios clínicos de uma nova droga para tratar a doença de Parkinson estão mostrando sinais de melhoria da habilidade motora, pesquisadores da Universidade de Nebraska Medical Center, disseram.

"Você nunca sabe quando você vai conseguir fazer alguma coisa, você tem que se levantar e dizer: 'Eu tenho que vencer isso'", disse Tim Hoffman, 66 anos.

Hoffman viveu nas garras do Parkinson por mais de uma década. Mas uma nova droga revolucionária, anunciada na quinta-feira pelos pesquisadores da UNMC, poderia mudar isso.

"O objetivo da medicação e o que vimos neste estudo é ajudar os pacientes com doença de Parkinson a funcionar melhor", disse a Dra. Pamela Santamaria, da Neurology Consultants of Nebraska.

A droga é chamada Sargramostim (Leukina). Ele trata as causas da doença em vez de apenas os sintomas.

"Nossa pesquisa mostrou como podemos dar a um paciente uma medicação que pode ajudar a mudar seu sistema imunológico e, portanto, afetar a progressão total eo resultado da doença de Parkinson", disse Santamaria.

Hoffman foi um dos pacientes que participaram do estudo clínico. Ele recebeu injeções diárias de tratamento por dois meses e disse que ele começou a ver uma mudança positiva.

"Eu me senti melhor e tive mais flexibilidade em minhas atividades", disse Hoffman.

Médicos disseram que o próximo passo na investigação será estudar como fazer a droga em uma pílula para que ele será amplamente acessível.

"Nosso objetivo final é ter esta droga ou uma droga similar a ela se tornar aprovada pelo FDA assim ela estará disponível para todos os pacientes com doença de Parkinson (globalmente)," Santamaria disse.

Os resultados do estudo também mostraram melhora em pacientes com distúrbios neurodegenerativos, incluindo a doença de Azheimer e acidentes vasculares cerebrais. Não há um calendário sobre quando o medicamento poderia tornar-se amplamente disponível para uso. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Ketv.

Nenhum comentário:

Postar um comentário