terça-feira, 14 de março de 2017

Condenado seguro privado por demorar 12 anos para diagnosticar Parkinson

Madrid, 14 de março (EFE) .- Um tribunal de Madrid condenou a sociedade médica Sanitas a pagar uma indemnização de 260.000 euros, acrescido de juros de mora, pelo atraso de 12 anos no diagnóstico da doença de Parkinson.

O julgamento do número 71 no Tribunal de Primeira Instância leva em consideração as conclusões de especialistas que "a falta de um exame neurológico formal", e o atraso no diagnóstico impactou "negativamente e muito importante em todos os aspectos da forma de vida do paciente: pessoal, familiar, social e de trabalho" do afetado.

O paciente tinha 20 anos de idade, quando começou a sentir tremores e foi para um dos centros médicos Sanitas, em 1993, que concluiu sem exame neurológico obrigatório, que não sofria de distúrbios orgânicos, de acordo com o julgamento arquivado pelos serviços jurídicos da associação o advogado do paciente.

Depois disso, ele foi diagnosticado com "tremor essencial" e Sumial prescreveu o medicamento. Nos anos seguintes, ele foi diagnosticado com "distúrbio de conversão" sendo prescritos Prozac, Tranxilium e outros ansiolíticos.

Consultas com a equipe psiquiátrica Sanitas ocorreu entre 2000, 2001, 2002 e 2003 com "resultado e diagnóstico idênticos. Em cada consulta foi listado como um paciente psiquiátrico sem que ninguém tinha feito exame neurológico mínimo", explica a associação.

Em 2006 Cypralex foi adicionado ao tratamento com drogas psicotrópicas, sem melhora. Entre junho de 2006 e 2008 realizou nada menos que 14 visitas ao Departamento de Psiquiatria da Sanitas, e outros treze ao Serviço Neurológico sem diferir no diagnóstico.

Em abril de 2008 ele foi para outra consulta ao neurologista, que, após um exame neurológico como "nunca antes foi realizada, concluiu que não estava sofrendo de imagem Conversiva", mas da doença de Parkinson.

Após tratamento específico pautar o paciente começou a melhorar após 12 anos de sofrimento e medicamentos anti-ansiedade. Estudos genéticos confirmaram a existência de um Parkinson Prk-2 familiar.

De acordo com a sentença, a história médica do paciente provas durante "os anos de 1996 a 2000, que fui muitas vezes à neurologia e psiquiatria do hospital e não há evidência de que o paciente tenha realizado um exame neurológico adequado", apesar sintomas clinicamente orientados para Parkinson.

Na decisão, o que é suscetível de recurso, o tribunal confirmou parcialmente a demanda e fixou em 260.000 euros (aproximadamente R$ 850 mil) de compensação pelos danos sofridos, acrescidos de juros com base no artigo 20 da Lei do Contrato de Seguro, desde março 2010. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: La Vanguardia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário