domingo, 12 de março de 2017

Clínicas afasta médico e servidor na Operação Dopamina

Polícia Federal e Procuradoria da República suspeitam de esquema de superfaturamento, peculato e corrupção na compra de equipamentos para implante em pacientes com doença de Parkinson

09 Março 2017 | Após a Polícia Federal e a Procuradoria da República realizarem buscas e apreensões de materiais cirúrgicos reprocessados na Divisão de Neurocirurgia Funcional do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP, o hospital divulgou nota informando que afastou um médico e um servidor administrativo e transferiu uma enfermeira de setor.

A ação da PF e da Procuradoria fazia parte da segunda fase da Operação Dopamina, que investiga suspeitas de superfaturamento, peculato e corrupção na compra de equipamentos para implante em pacientes com o doença de Parkinson (doença progressiva do movimento devido à disfunção dos neurônios secretores de dopamina) por servidores do HC.

“Todas as informações foram repassadas ao Ministério Público Federal, com quem o IPq (Instituto de Psiquiatria) vem mantendo colaboração permanente”, afirma o hospital.

Segundo o HC – maior complexo hospitalar da América Latina -, o Instituto contratou uma empresa de reputação internacional em consultoria e auditoria para verificação dos processos internos da Divisão de Neurocirurgia Funcional e criou um grupo multiprofissional para checagem dos procedimentos de esterilização de materiais cirúrgicos.

Sem citar a investigação policial, o HC afirma que uma comissão interna do Instituto de Psiquiatria identificou a presença de materiais cirúrgicos vencidos no Centro Cirúrgico e na Central de Materiais para Esterilização da Divisão de Neurocirurgia Funcional (DNF) em uma ‘ação de checagem e controle de processos’.

“Os materiais foram recolhidos imediatamente e duas sindicâncias foram instauradas para apurar os responsáveis pelas irregularidades”, segue o texto. Sem citar as datas das apurações internas, o HC informou ainda que contratou uma empresa de consultoria internacional para “verificação dos processos internos da DNF e criou um grupo multiprofissional para checagem dos procedimentos de esterilização de materiais cirúrgicos”.

Os investigadores chegaram às informações sobre os materiais reutilizados após a primeira fase da Dopamina, em julho de 2016.

Segundo a investigação, eletrodos e estimuladores cerebrais, além de agulhas e outros materiais cirúrgicos descartáveis comumente utilizados para o tratamento do doença de Parkinson, eram reaproveitados no Núcleo de Neurocirurgia Funcional do HC.

CONFIRA A ÍNTEGRA DO TEXTO DIVULGADO PELO HC:
“Uma comissão interna do Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP identificou, em uma ação de checagem e controle de processos, a presença de materiais cirúrgicos vencidos no Centro Cirúrgico e na Central de Materiais para Esterilização da Divisão de Neurocirurgia Funcional (DNF), que funciona no prédio do Instituto sob regência do Departamento de Neurologia do HC, e constatados procedimentos indevidos de reprocessamento e armazenamento de materiais não implantáveis usados em outras cirurgias.

Os materiais foram recolhidos imediatamente e duas sindicâncias foram instauradas para apurar os responsáveis pelas irregularidades.

Até o momento foram afastados um médico e um servidor administrativo. Uma enfermeira foi transferida de setor. Todas as informações foram repassadas ao Ministério Público Federal, com quem o IPq vem mantendo colaboração permanente. Além disso, o Instituto contratou uma empresa de reputação internacional em consultoria e auditoria para verificação dos processos internos da DNF e criou um grupo multiprofissional para checagem dos procedimentos de esterilização de materiais cirúrgicos.

A Divisão de Neurocirurgia Funcional realizou avaliação e análise minuciosas dos prontuários de todos os pacientes que sofreram cirurgias que, em tese, poderiam ter envolvido o uso de materiais irregulares. Foi constatado que nenhum paciente teve, por exemplo, implantado material fora do período de validade ou sofreu cirurgia realizada com implantes de moldes reesterilizados. Portanto, as irregularidades não comprometeram a saúde dos pacientes que, por sua vez, seguem seu acompanhamento regular na DNF.

Também foi realizado pela comissão interna um levantamento detalhado dos possíveis casos de infecção hospitalar. Mais uma vez, foi constatado o elevado grau de segurança dos procedimentos operatórios. A taxa média anual de infecção cirúrgica na DNP do IPq durante o ano de 2016 foi de 1,9%, percentagem bastante abaixo das médias publicadas na literatura internacional, que alcançaram valores de até 15%.

Uma outra denúncia apurada pelo IPQ foi sobre moldes cranianos, que estariam sendo utilizados de modo incorreto. A comissão constatou que o HC não realizou a reesterilização de moldes cranianos para cirurgia. Os poucos moldes utilizados foram prototipados e individuais, não entraram em contato com os doentes, foram testados fora do campo operatório, foram revestidos com material isolante constituído de invólucros cirúrgicos e foram encaminhados para serem descartados após os procedimentos.

“O Instituto de Psiquiatria, em sua constante busca da Excelência, segue adotando todas as medidas para detectar e corrigir eventuais irregularidades e reforçar a segurança de seus procedimentos. E isto naturalmente se estende a todos os serviços de outras áreas atuando nas dependências do IPq, como a Divisão de Neurocirurgia Funcional. Para isso, contamos com a colaboração do Ministério Público, da consultoria externa e do trabalho interno, permanente e rigoroso de verificação de todos os nossos processos médicos e administrativos”, afirma Prof. Dr. Wagner Gattaz, presidente do Conselho Diretor do Instituto de Psiquiatria do HCFMUSP.” Fonte: O Estado de S.Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário