terça-feira, 6 de dezembro de 2016

As microbolhas revestidas de gordura podem auxiliar no tratamento de Parkinson ao ultrapassar a barreira hemato-encefálica

DECEMBER 5, 2016 - Cientistas usando microbolhas revestidas de gordura têm possivelmente desenvolvido meio de transportar terapias para a doença de Parkinson diretamente para áreas do cérebro onde são necessários, sem afetar outros órgãos.

O estudo, "microbolhas lipídicas como um veículo para a entrega de drogas orientadas usando ultra-som focalizado induzida para a abertura da barreira hematoencefálica", foi publicado no Journal of Cerebral Blood Flow and Metabolism.

O sistema nervoso central (SNC) é protegido do sistema circulatório sanguíneo por uma barreira muito seletiva chamada barreira hematoencefálica. Sua função é crucial, pois protege o SNC contra vírus, bactérias e fungos e outros agentes nocivos. No entanto, também é impenetrável para medicamentos que visam o cérebro, como aqueles usados ​​para tratar doenças neurodegenerativas como Parkinson e Alzheimer (98% não conseguem vencer esta barreira).

Os cientistas têm tentado penetrar a barreira cérebro-sangue por um longo tempo, e desenvolveram técnicas diferentes - injeções intracranianas, terapia genética e modificação química de certas drogas - mas todos falharam em transportar efetivamente uma droga para onde ela é necessária sem afetar outros órgãos. Agora, o Dr. Carlos Sierra, juntamente com colegas da Universidade de Columbia em Nova York, estão relatando resultados positivos em entregar uma molécula de teste diretamente para o cérebro.

Primeiro, os cientistas injetaram a molécula em microbolhas de gás lipídico revestidas, inofensivas. Em seguida, eles dirigiram o ultra-som em uma região específica do cérebro, fazendo com que as microbolhas que chegavam lá do sistema circulatório oscilassem e aumentassem de tamanho. Quando as bolhas atingem 8 mícrons, o ultra-som faz com que se rompam e abram a barreira hemato-encefálica, permitindo que o tratamento passe.

"Nós demos um passo adiante, incorporando a substância que estamos interessados ​​no revestimento lipídico das microbolhas. Isso faz com que a substância fique aderida às microbolhas e impede que ela circula livremente pelo corpo", disse Sierra, um físico e principal autor do estudo, em um comunicado de imprensa.

"Ele faz tudo isso, sendo não invasivo, reversível e completamente seguro", acrescentou Sierra.

Este estudo foi realizado usando uma molécula fluorescente colocada em microbolhas revestidas de lipídio introduzidas em ratos, permitindo que os cientistas traçam seu movimento e confirmem se as moléculas entraram no cérebro. As investigações também determinaram os parâmetros corretos, ou limiares de pressão acústica, para a liberação efetiva do fármaco.

"Definir esses parâmetros significa que podemos pensar sobre como transferir a técnica para pacientes humanos, embora ela tenha que ser testada em macacos primeiro", disseram os pesquisadores, acrescentando que "poderia ser aplicado a doenças como Parkinson, Alzheimer, doenças de Huntington, Tumores cerebrais, derrames, esclerose múltipla e esclerose lateral amiotrófica, onde esperamos ver um aumento muito significativo na eficácia do tratamento e uma redução considerável nos efeitos colaterais".

Eles já começaram a testar compostos potencialmente terapêuticos para a doença de Parkinson "com resultados iniciais promissores", disse Sierra.

"O sucesso desta técnica em ratos, e mesmo em macacos, não pode garantir que será eficaz nas pessoas, mas se continuarmos a obter resultados satisfatórios, em seguida, ensaios pré-clínicos em humanos começariam", acrescentou. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Parkinson News Today.

Nenhum comentário:

Postar um comentário