quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Proteína ligada ao Parkinson comunica intestino ao cérebro

Estudo em camundongos traça o caminho da alfa-sinucleína

Ver-através da imagem: Usando um método que tornou o tecido translúcido, os pesquisadores puderam ver clumps de alfa-sinucleína (verde) no intestino de um rato misturado com células nervosas (vermelho) e astrócitos (branco). Os núcleos celulares são azuis.
NOVEMBER 16, 2016 - SAN DIEGO - Ao longo dos meses, grânulos de uma proteína implicada na doença de Parkinson pode viajar do intestino para o cérebro de camundongos, cientistas descobriram.

Os resultados, relatados em 14 de novembro na reunião anual da Society for Neuroscience, sugerem que em alguns casos, o Parkinson pode ter seu começo no intestino. Esse é um conceito intrigante, diz o neurocientista John Cryan, da University College Cork, na Irlanda. O novo estudo "mostra como a saúde intestinal pode ser importante para a saúde e comportamento do cérebro."

Collin Challis da Caltech e colegas injetaram aglomerados de alfa-sinucleína sintética, uma proteína conhecida por se acumular nos cérebros de pessoas com Parkinson, nos estômagos e intestinos dos ratos. Os pesquisadores seguiram a alfa-sinucleína com uma técnica chamada CLARITY, que torna partes dos corpos dos ratos transparentes.

Sete dias após as injeções, os pesquisadores viram aglomerados de alfa-sinucleína no intestino. Níveis de pico lá, 21 dias após as injeções. Estes não eram os mesmos agregados de alfa-sinucleína que foram injetados, no entanto. Estes foram novos aglomerados, formados a partir de ocorrência natural de alfa-sinucleína, que os pesquisadores acreditam que foram persuadidos a formar pelas versões sintéticas em seu meio.

Também 21 dias após as injeções, aglomerados de alfa-synuclein parecem ter se espalhado para uma parte do tronco cerebral contendo células nervosas que compõem o nervo vago, uma estrada neural que liga o intestino ao cérebro. Sessenta dias após as injeções, a alfa-sinucleína havia se acumulado no mesencéfalo, uma região repleta de células nervosas que produzem o mensageiro químico dopamina. Estas são as células nervosas que morrem em pessoas com Parkinson, uma doença cerebral progressiva que afeta o movimento.

Depois de atingir o cérebro, a alfa-sinucleína se espalha graças em parte às células cerebrais chamadas astrócitos, segundo um segundo estudo. Experimentos com células em pratos mostraram que astrócitos podem armazenar e espalhar alfa-sinucleína entre as células. Esse trabalho foi apresentado por Jinar Rostami da Universidade de Uppsala, na Suécia, em uma entrevista coletiva em 14 de novembro.

A acumulação gradual e a disseminação da alfa-sinucleína causaram problemas nos camundongos. À medida que os agrupamentos de alfa-sinucleína lentamente se arrastaram para o cérebro, os ratos começaram a exibir problemas de intestino e movimento. Sete dias após as injeções, as fezes dos ratos eram mais abundantes do que o habitual. Sessenta e noventa dias após as injeções - depois que os aglomerados de alfa-sinucleína haviam atingido o cérebro - os ratos tiveram pioras em alguns testes físicos, incluindo a marcar uma etiqueta fora de seu rosto e lançando em torno de shimmy para baixo um pole headfirst. (falha de tradução) De muitas maneiras, os camundongos se assemelhavam a outros camundongos que têm mutações que causam sintomas semelhantes a Parkinson, diz Challis.

Um estudo anterior mostrou evidências de que grupos de alfa-sinucleína podem se mover do intestino para o tronco encefálico em ratos, mas esses experimentos olharam para escalas de tempo mais curtas, diz Challis. E trabalho prévio monitorou os movimentos da alfa-sinucleína injetada, em oposição aos aglomerados de alfa-sinucleína que os ratos produziram eles próprios.

A idéia de que a alfa-sinucleína pode se espalhar do intestino para o cérebro é muito nova, diz Alice Chen-Plotkin, um clínico e pesquisador de Parkinson no Hospital da Universidade da Pensilvânia. Estes novos resultados e outros têm levado os cientistas a começar a olhar para fora do cérebro para os estágios iniciais da doença, diz ela. "Cada vez mais, as pessoas estão se perguntando se ele começa mais cedo."

Algumas evidências sugerem que o intestino é um bom lugar para olhar. Pessoas com doença de Parkinson muitas vezes sofrem de problemas intestinais, como constipação. E em 2015, os cientistas relataram que um grupo de pessoas dinamarquesas que tinham seus nervos vagos cortados eram menos propensos a desenvolver a doença de Parkinson. Corte a rota de trânsito de alfa-sinucleína do intestino para o cérebro, e a doença é menos provável de tomar posse, são sugestões de estudo.

Não está claro por que a alfa-sinucleína se acumula no intestino, em primeiro lugar. "Há um monte de teorias lá fora", diz Challis. Bactérias podem produzir compostos chamados curli que facilitam que a alfa-synuclein se agregue, um estudo recente sugere. Pesticidas, refluxo ácido e inflamação são outros possíveis culpados que poderiam de alguma forma aumentar aglomerados de alfa-synucleina no intestino, Challis diz. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Science News.

Nenhum comentário:

Postar um comentário