sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Inflamação cerebral em jogadores de futebol (rugby) ligados à demência e, possivelmente, Parkinson: estudo

NOVEMBER 4, 2016 - A inflamação cerebral sofrida por atletas em esportes de contato como o futebol parece estar diretamente ligada à encefalopatia crônica traumática, uma causa de demência, e pode levar a doenças neurológicas como Parkinson, de acordo com um estudo na revista Acta Neuropathologica Communications.


Na verdade, os autores argumentam que os jogadores de futebol americano e outros com uma história de trauma cerebral repetitivo estão em maior risco de desenvolver essa inflamação, e o número de anos que se envolvem em tais atividades pode prever a ocorrência de doença cerebral.

Os pesquisadores analisaram como os esportes podem desencadear o desenvolvimento de encefalopatia crônica traumática (CTE), uma doença cerebral progressiva e degenerativa associada com trauma cerebral devido a batidas repetitivas na cabeça. "Neuroinflamação microglial contribui para a acumulação de Tau na encefalopatia crônica traumática".

Eles analisaram amostras de cérebro pós-morte de 66 ex-jogadores de futebol e 16 controles não-atletas e descobriram que as amostras dos jogadores tinham maior número de células inflamatórias no córtex frontal do cérebro e sinais de CTE.

Eles também descobriram que o número de anos jogando futebol foi proporcional ao número de células inflamatórias, e o desenvolvimento de patologia CTE e demência.

"Este estudo fornece provas de que jogar futebol por um período prolongado pode resultar a longo prazo inflamação do cérebro e que esta inflamação pode levar a CTE", disse Jonathan Cherry, PhD, o primeiro autor do estudo, em um comunicado de imprensa. "Embora a inflamação possa ser protetora no cérebro especialmente logo após uma lesão, o nosso estudo sugere que anos após um período de jogar futebol, a inflamação pode persistir no cérebro e está ligada ao desenvolvimento de CTE".

De acordo com os pesquisadores, futuros estudos são justificados para entender se o tratamento desta inflamação pode prevenir ou evitar o desenvolvimento de CTE.

"Além disso, a inflamação do cérebro poderia ser usada como biomarcador preditivo para ajudar a identificar pacientes em risco de desenvolver CTE na vida", disse Cherry. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Parkinson News Today.

Nenhum comentário:

Postar um comentário