domingo, 27 de novembro de 2016

Implante cerebral é aposta para tratamento de Parkinson

DOMINGO, 27 DE NOVEMBRO DE 2016 - Um procedimento cirúrgico tem melhorado a qualidade de vida aos pacientes de Parkinson na região. O Implante Neuroestimulador Cerebral, conhecido como DBS, que em inglês quer dizer Deep Brain Stimulation, é a esperança de José Egídio dos Santos, 61 anos, que passou pela cirurgia ontem no Hospital Norte Paranaense de Arapongas - Honpar (Hospital Regional João de Freitas). “Espero que melhore bastante os sintomas”, diz. Apesar de não ser uma novidade em termos de tratamento, a cirurgia só é realizada em três municípios do Paraná: Londrina, Curitiba e agora em Arapongas, que atende pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Assim como José Egídio, que é Parkinsoniano há 11 anos, outros cinco pacientes passaram pelo procedimento neste fim de semana no Honpar. É a segunda vez que o hospital realiza este tipo de cirurgia. Neste ano, em junho, foram realizados os primeiros seis procedimentos, sendo todos pagos pelo SUS.

A oferta do procedimento foi possível porque contou com ajuda de profissionais especialistas de outras cidades. Nas duas ocasiões, a equipe liderada pelo médico neurocirurgião Marcus Valério da Costa, de Londrina, contou também com o trabalho do médico e também neurocirurgião José Oswaldo Oliveira Júnior, que é referência no assunto do Brasil e trabalha com o implante de DBS deste o final da década de 1980, quando o procedimento começou a ser indicado aos pacientes.

A araponguense Mariza Regina Pereira Viana, 38 anos, é uma das pessoas que passou pelo procedimento em junho. Parkinsoniana há sete anos, ela avalia que o procedimento foi positivo. “Diminuíram bastante os tremores”, afirma.

Costa explica que o procedimento consiste basicamente em colocar um fio (eletrodo) no interior do cérebro através de um pequeno furo no osso. O fio é ligado a uma bateria (gerador) que vai enviar estímulos ao cérebro para que ele melhore seu funcionamento e reduzam os sintomas desagradáveis da doença. “Após o implante, a melhora do paciente é gradativa e a estimulação é ajustada de acordo com a avaliação, que é feita de forma periódica. O paciente também continua tomando medicação, porém em doses menores, o que reduz os efeitos colaterais”, explica Costa.

A bateria tem uma durabilidade média de 3 a 5 anos, após esse período Oliveira Júnior explica, que o paciente precisa passar pelo procedimento novamente, mas não completo. “Vamos trocar somente a bateria, para que o eletrodo volte a emitir estímulos ao cérebro”, esclarece.

SEM CURA

Da Costa deixa claro que o Parkinson, que é uma doença degenerativa do sistema nervoso central, crônica e progressiva, não tem cura. “A cirurgia não cura, mas melhora a qualidade de vida, permitindo ao Parkinsoniano ficar mais ativo e independente”, avalia Costa.

De acordo com o médico londrinense, o procedimento dura, em média, quatro horas, e não é considerado de alto risco.

“A cirurgia é considerada de alta complexidade e demanda de uma equipe especializada”, diz. A falta de especialistas é, inclusive, apontada como uma das razões do procedimento ser desconhecido do público.

Intervenção é indicada em estágio inicial

O neurocirurgião José Oswaldo Oliveira Júnior, doutor em neurocirurgia funcional, de São Paulo, observa que que o Implante Neuroestimulador Cerebral, chamado de DBS, desde 1993 não é mais considerado tratamento experimental, e sim convencional. “O DBS beneficia cerca de 15% de todos os doentes Parkinsonianos. A cirurgia é indicada para pacientes com tratamento clínico inicial, mais ou menos, cinco a seis anos. Não se pensa em cirurgia antes disso”, afirma.

A partir de cinco anos de doença, segundo o especialista, é que se faz a indicação para cirurgia. “Durante os primeiros cinco anos, o melhor tratamento clínico, com medicação, fisioterapia, com fonoaudiologia e terapia ocupacional”, avalia.

Oliveira Júnior comenta que, no Brasil, a maioria dos pacientes é tratada com neurologistas clínicos, responsáveis por coordenador o tratamento. “O neurocirurgião aparece um tratamento mais invasivo a partir dos cinco anos da doença, quando a medicação está causando efeitos adversos e não está conseguindo proporcionando mais uma resposta eficiente”, sublinha.

Oliveira Júnior também pontua que é importante que a região tenha um polo de desenvolvimento e tratamento de Parkinson, de dedicação exclusiva aos SUS. “Porque o resultado é positivo”, justifica. Fonte: Tribuna do Norte.

4 comentários:

  1. Parabéns pela matéria. Uma opção de tratamento muito boa para essas pessoas tão necessitadas e carentes. Pode ainda não ser a cura, mas o fato de propor uma melhor qualidade de vida já traz conforto e esperança. Parabéns a equipe do Dr.Marcos Valério da Costa.

    ResponderExcluir
  2. O grande problema é o acesso, particularmente pelo SUS, difícil, a esta cara cirurgia, ainda sob as suspeitas de fraude como ocorreu recentemente no caso da "máfia do marcapasso" (http://doencadeparkinson.blogspot.com.br/search/label/corrup%C3%A7%C3%A3o) no HC de São Paulo. Tomara que isso não atrapalhe àqueles que realmente necessitam.

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de receber orientação, pois fui diagnosticada como portadora de Parkinson em 2003, com 42 anos, numa época em que atravessei um período de stress extremo e começaram a surgir sintomas estranhos principalmente no meu lado esquerdo: formigamento no pé e mão esquerda; perda de força na mão esquerda. O diagnóstico saiu com base na resposta do meu organismo ao uso do pramipexol. Tomei pramipexol sozinho até 2010, quando passei a usar também o levodopa/carbidopa. Hoje encontro-me numa sinuca de bico: às vezes acho que não tenho Parkinson, mas sou totalmente dependente química das altas doses de medicação às quais meu organismo está habituado a receber. Tomo a última dose de remédios por volta das 18:30 hs (1 mg de pramipexol + 1/2 comprimido de levodopa/carbidopa 25/250). Ao levantar de manhã, sinto-me uma pessoa normal, só um pouco mais lenta. Se eu passar mais de duas horas sem tomar a medicação, vou ficando cada vez mais fraca e meu pé fica engruvinhado. Mas não tenho tremor algum. Já me aconselharam fazer cirurgia, mas pergunto: Por que fazer cirurgia para acabar com sintomas que decorrentes dos efeitos colaterais da medicação? Na verdade, o que eu gostaria de fazer é UM EXAME CAPAZ DE DETECTAR A REAL SITUAÇÃO DO MEU CÉREBRO COM RELAÇÃO À DOENÇA. Ao levantar a questão com os neurologistas, não recebi apoio. E para fazer o exame teria que ficar 48 horas sem medicação, o que não posso fazer por conta própria, pois estarei colocando minha vida em risco. Já pensei em tentar passar por uma avaliação no Albert Einstein, mas não conheço ninguém lá. E além de gastar o que não tenho, se não fizer o procedimento correto, posso entrar num resultado inútil.

    ResponderExcluir
  4. Não sou médico e muito menos neurologista, mas posso recomendar que procure um aí em São Paulo. Com relação ao pramipexole, não reduza nem aumente dosagem de forma precipitada, brusca, pois é grande o risco para a saúde. Falo por experiência própria, e se for reduzir a dosagem a faça com muito cuidado, gradualmente à taxa de 0,75 mg a cada 2 semanas, e a cada 2 semanas reduza na dosagem dos comprimidos disponíveis da sua formulação, se comprimidos standard ou ER, para ir desintoxicando gradualmente, sem choques. Com a levodopa faça a mesma coisa, i.é., reduzindo de 1/4 em 1/4 a cada tomada por semana. Procure reduzir a um mínimo com que você esteja funcional. Cuidado, pois com remédios para parkinson não se brinca! Procure um médico em quem confie. Pense na rasagilina ou selegilina e amantadina.

    Com relação à cirurgia, o dbs, "se" acertarem no alvo, normalmente o STN, poderá funcionar muito bem, permitindo que se reduza bastante a dosagem dos remédios e por consequência na redução dos efeitos colaterais destes, que são tão ruins ou piores do que a doença, mas cuidado na escolha da equipe médica, pois nem todas acertam sempre o alvo neurológico. Se tiver opção, opte pelo marcapasso recarregável, que permite ajustes mais radicais nos parâmetros de estimulação, sem necessidade de economizar a bateria, dando mais flexibilidades de ajuste. E uma observação: TODOS somos pessoas normais, e por essa mesma razão podemos contrair o parkinson. Força, pois Parkinson é assim mesmo! Parece ser um sumidouro de energia vital.

    ResponderExcluir