quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Descoberto mecanismo molecular comum à patologia de Parkinson

09 Nov, 2016 - Os pesquisadores localizaram um defeito intracelular que eles acreditam ser provavelmente comum a todas as formas de doença de Parkinson. Esse defeito, que precede a morte de um grupo de células nervosas cuja perda é a marca da condição, desempenha um papel crítico no desencadeamento dessa morte.

Descrito em um estudo publicado na Cell Stem Cell, o defeito torna as células incapazes de desmantelar rapidamente suas mitocôndrias quando elas se desgastam, param de fornecer energia e começam a vomitar poluentes em seu lugar.

As mutações genéticas mais freqüentemente responsáveis ​​pelo Parkinson familiar ocorrem em vários pontos ao longo de um gene que codifica uma proteína chamada LRRK2. Até agora, ninguém pode explicar claramente a conexão do LRRK2 com o Parkinson.

Os pesquisadores demonstraram que, antes que as mitocôndrias com defeito possam ser desativadas, elas devam primeiro ser destacadas do citoesqueleto, uma rede de filamentos e túbulos moleculares que se estende e forma a maioria de nossas células. Só depois que as mitocôndrias são destacadas pode a célula destruí-los. Mas isso não pode acontecer, a equipe descobriu, até que uma proteína chamada Miro que ancora as mitocôndrias ao citoesqueleto é cortada.

Os investigadores descobriram que a remoção de Miro pode ocorrer somente depois que LRRK2 forma um complexo com Miro. O LRRK2 defeituoso é prejudicado na formação deste complexo, resultando em atrasos significativos na remoção de Miro.

Quando os pesquisadores bioquimicamente induziram a produção excessiva de radicais livres nas células nervosas, aqueles de todos os pacientes de Parkinson amostrados - familiares e esporádicos - morreram em números muito maiores do que células equivalentes derivadas de pacientes saudáveis.

Os cientistas descobriram que poderiam prevenir o atraso no desmantelamento de células nervosas derivadas de Parkinson de mitocôndrias defeituosas, bem como prevenir a morte prematura dessas células em face do ataque de radicais livres. Eles realizaram um truque bioquímico que reduziu os níveis de Miro nas células. A redução não foi suficiente para desalojar as mitocôndrias sadias do citoesqueleto, mas reduziu suas intensidades de fixação mais próximo do ponto em que o desprendimento poderia ocorrer. Quando os cientistas, então, induziram quimicamente danos mitocondriais, não aumentou o drop-off mitocondrial ou a degradação teve lugar nas células nervosas derivadas de indivíduos saudáveis. Mas nas células nervosas equivalentes LRRK2G2019S, os atrasos anteriormente vistos praticamente desapareceram - e muito menos destas células morreram. A diminuição das concentrações de Miro, nessas células, compensou o seu comprometimento Miro-cutâneo.

Essa descoberta pode levar a diagnósticos não só mais precisos quanto mais precoces da doença de Parkinson e também pode apontar para abordagens farmacológicas totalmente novas para tratá-la, disseram os pesquisadores.

Paper: “Functional Impairment in Miro Degradation and Mitophagy Is a Shared Feature in Familial and Sporadic Parkinson’s Disease”
Reprinted from materials provided by the Stanford University Medical Center. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Neurodegeneration Research.

Agora mais um personagem na batalha contra o Parkinson, essa tal de proteína Miro.... Quanto mais eu rezo, mas assombração me aparece, e mais, só sei que nada sei, e quanto mais penso que sei, menos sei ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário