segunda-feira, 28 de novembro de 2016

A guerra contra o Parkinson: células-tronco com sucesso injetadas no cérebro do paciente

27.11.2016 - Médicos do Hospital Royal de Melbourne injetaram com sucesso células-tronco no cérebro de um paciente com doença de Parkinson de 64 anos. Esta operação, a primeira de seu tipo, marca um passo positivo no sentido de desenvolver um melhor tratamento de Parkinson.

O pesquisador Garish Nair, um neurocirurgião da Royal Melbourne, liderou o procedimento. Ele e sua equipe injetaram milhões de células-tronco em 14 locais no cérebro do paciente. "O desafio era fazê-lo de uma maneira que você minimize o número de vezes que você passa seu instrumento através do cérebro, para minimizar os danos", explica o Dr. Nair. Para isso, eles tiveram que executar cerca de 4 rondas simuladas em um modelo 3D antes do procedimento real.

Não é uma questão de ética

A injeção de células-tronco, esperam os pesquisadores, aumentaria os níveis do neurotransmissor dopamina no cérebro. Parkinson é conhecido por apresentar sintomas de "tremor, rigidez, e ser incapaz de expressar emoções, afetando a marcha. Todas essas funções são mediadas pela dopamina", explica o Dr. Nair. Se bem sucedido, o paciente apresentaria melhora nessas áreas.

O uso de células-tronco no tratamento médico é amplamente controverso por causa de preocupações éticas, particularmente com as células-tronco embrionárias. O procedimento, no entanto, não apresenta um problema ético. As células-tronco usadas foram criadas usando células neurais em um laboratório de uma empresa de biotecnologia na Califórnia.

"Portanto, a beleza desta técnica é que este é um óvulo não fertilizado ativado em um laboratório, então não há questões éticas que envolvam isso para ser usado como tratamento convencional na linha", diz um otimista Dr. Nair.

Além das preocupações éticas, há também a preocupação de que é muito cedo para ensaios clínicos de tratamentos com células-tronco. No início deste ano, o Dr. Patrik Brundin, diretor do Centro de Ciências Neurodegenerativas do Van Andel Research Institute, em Grand Rapids, Michigan, alertou contra os perigos dos ensaios clínicos serem feitos muito cedo. "Atuar prematuramente tem o potencial não só de manchar muitos anos de trabalho científico, mas pode ameaçar ameaçar e danificar este campo emocionante da medicina regenerativa."

Os pesquisadores entendem essas preocupações, mas sentem que receberam as aprovações adequadas e testes animais adequados foram feitos para justificar um ensaio clínico.

Atualmente, a estatística mostra que mais de 10 milhões de pessoas no mundo são afetadas pelo Parkinson, com cerca de 600 mil nos Estados Unidos e 80 mil na Austrália. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: True Viral News.

Nenhum comentário:

Postar um comentário