segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Doença de parkinson: intestino e reciclagem de mitocôndrias envolvidos (MAJ - mise à jour/atualização)

03/10/2016 - A doença de Parkinson está associada com defeitos na mitocôndria. No entanto, uma resposta imune que se origina a partir do intestino pode prevenir o desenvolvimento da doença, controlando o sistema imunitário exercido sobre as mitocôndrias.

Em um artigo publicado na Cell Reports, cientistas da Universidade de Iowa descrevem experiências realizadas no verme Caenorhabditis elegans. Eles mostraram que uma via imune é ativada no intestino quando existem defeitos que afetam as mitocôndrias: esta ativação imunitária protege os neurônios dos efeitos tóxicos da disfunção mitocondrial.

Para Veena Prahlad, autora da pesquisa, que se expressa na MedicalXpress, a hipótese de que células imunes monitoram constantemente defeitos mitocondriais. Isso pode estar relacionado, de acordo com simbiogênese, no fato de que as mitocôndrias têm uma interface bacteriana, explicando, assim, elas estão sujeitos a supervisão. Estes estudos sugerem que a proteção contra a doença de Parkinson começa no intestino.
----------
Agnes Roux artigo inicial, publicada em 2013/08/16
A doença de Parkinson mata neurônios cerebrais lentamente. Um estudo demonstrou a ligação entre esta morte progressiva e a pobre reciclagem das mitocôndrias da célula. Este fenômeno é devido ao gene que codifica a proteína Fbxo7 Park15, que é mutada em pessoas com esta doença.

A partir do que a doença de Parkinson é neurológica, resultando numa destruição lenta e progressiva das células do sistema nervoso central. Isso resulta em problemas motores, como tremores, rigidez muscular e lentidão de movimentos. Os pacientes também podem experimentar dificuldades intelectuais, tais como perda de memória.

Mas por que os neurônios destruídos? Esta questão está longe de ser resolvida, mas os pesquisadores estão trabalhando em algumas pistas. Um deles diz respeito a um processo chamado mitofagia, que permite que as células se livrem de suas mitocôndrias defeituosas. Essas organelas são essenciais porque fornecem à célula a energia que necessita para funcionar. Eles são especialmente importantes nos neurônios que estão trabalhando duro durante todo o seu ciclo de vida. O processo mitofagia assegura a reciclagem de mitocôndrias defeituosas e protege o desempenho da célula. De acordo com especialistas, a mitofagia não poderia afetar o desenvolvimento dos neurônios e levar a problemas cerebrais.

A proteína Fbxo7 essencial para mitofagia
Um estudo recente destacou o papel de dois genes, Park2 Park6 na mitofagia. Estes respectivamente codificam duas proteínas, e Parkin Pink1, que estão associados à doença de Parkinson. Estas observações sugerem uma ligação entre a doença neurológica e processo mitofágico. No entanto, os mecanismos genéticos escondidos por trás dessa conexão são para o momento bastante obscuros. Pesquisadores da University College London apenas esclarecer alguns dos mistérios. Em seu estudo, publicado na revista Nature Neuroscience, eles identificaram um novo gene, chamado Park15 e proteína de codificação Fbxo7 que participam no processo de mitofagia. Este gene poderia ser mutado em pacientes com Parkinson.

Os seus resultados mostram que a proteína interage diretamente com Fbxo7 e Parkin na mitofagia para assegurar e manter um equilíbrio de mitocôndrias ativas para dentro da célula. As células que produzem menos Fbxo7 não são capazes de realizar parkin suficientes na mitocôndria e não percebem um mitofagia eficaz. No entanto, ao aumentar artificialmente a síntese de Fbxo7 na mosca, os autores foram capazes de restaurar a importação de mitocôndrias de degradação falha em parkin e corretas. Estes resultados demonstram a importância da Fbxo7 em manter o equilíbrio adequado mitocondrial. Mas em pessoas com doença de Parkinson, o gene Park15, que codifica Fbxo7, está mutado. Eles, portanto, não podem alcançar a mitofagia corretamente, o que explicaria por que seus neurônios degeneram.

"Esta pesquisa mostra a importância das mitocôndrias para a saúde dos neurônios", explica Heike Laman, neste estudo. Esta descoberta poderia ajudar a desenvolver terapias contra a doença de Parkinson, visando a mitocôndria. Original em francês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Futura Sciences.

Nenhum comentário:

Postar um comentário