segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Teste experimental detecta a doença de Parkinson mais cedo

MONDAY, Aug. 29, 2016 - Os cientistas parecem ter dado mais um passo rumo ao desenvolvimento de um teste que pode detectar a doença de Parkinson nos estágios iniciais.

Os investigadores desenvolveram uma técnica para identificar uma molécula de Parkinson associada em amostras de fluido da coluna vertebral a partir de pacientes. Nos experimentos, a técnica identificou com precisão 19 de 20 amostras de pacientes com Parkinson, além de três amostras de pessoas em situação de risco para a doença, disseram os autores do estudo.

A técnica detecta uma molécula de proteína chamada alfa-sinucleína, que forma aglomerados pegajosos - chamados de corpos de Lewy - no interior das células cerebrais de pessoas com Parkinson e alguns tipos de demência, de acordo com os pesquisadores da Universidade de Edimburgo, na Escócia.

Os cientistas também testaram a nova técnica em 15 pessoas saudáveis ​​para ver se havia algum falso-positivo. Não havia nenhum. O novo teste não detecta a doença em pessoas saudáveis.

Mais pesquisas são necessárias para confirmar a precisão da técnica. Mas os investigadores acreditam que um dia ela possa ajudar a melhorar o diagnóstico da doença de Parkinson.

"Nós já usamos esta técnica para desenvolver um teste exato para a doença de Creutzfeldt-Jakob, uma outra condição neurodegenerativa. Esperamos que com mais refinamento, a nossa abordagem vá ajudar a melhorar o diagnóstico para os doentes de Parkinson," Alison Green, da National CJD Research and Surveillance Unit da Universidade de Edimburgo, disse em uma nota de imprensa da universidade.

"Nós também estamos interessados ​​em saber se ele poderia ser usado para identificar pessoas com Parkinson e demência de Lewy nos primeiros estágios de sua doença. A estas pessoas poderia então ser dada a oportunidade de participar em ensaios de novos medicamentos que podem retardar ou parar, a progressão da doença ", disse Green.

A doença de Parkinson é uma perturbação do movimento crônica em que as células nervosas do cérebro tem mau funcionamento e morrem. A causa é desconhecida e, atualmente, não há cura. Quase um milhão de pessoas nos Estados Unidos estão vivendo com a doença de Parkinson, de acordo com a Fundação da Doença de Parkinson.

O novo estudo foi publicado 29 de agosto na revista Annals of Clinical and Translational Neurology. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: UPI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário