segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Tens a probabilidade de desenvolver Parkinson?

Uma das principais dificuldades dos distúrbios e doenças com origem multifatorial é determinar o perfil da população sensível.

Perfilar as pessoas com Parkinson

Quando se trata de estabelecer um perfil da psicopatologia deve entender que eles vão intervir numa multiplicidade de fatores, tanto a progressão, origem, manutenção e doença.

O trabalho do pesquisador é descobrir e descrever cada um desses fatores quando você deseja estabelecer o perfil da população em risco.

Posteriormente eles têm de conhecer os "pesos" que cada um desses fatores vai jogar no aparecimento da doença; por isso não é psicopatologia onde o componente hereditário tem um papel fundamental, com o fator de ser um grande peso.

Em outra, pelo contrário, o maior peso têm fatores ambientais tais como o stress.

Estabelecer um perfil é avaliar cada um dos fatores envolvidos e saber em que medida afetam uns sobre os outros, mas o que é o perfil de risco da doença de Parkinson?

Perfil de risco da doença de Parkinson

Este é precisamente o que temos tentado determinar a partir do Departamento de Medicina Systems, Universidade de Roma Tor Vergata, juntamente com o IRCCS Fondazione Santa Lucia (Itália) cujos resultados acabam de ser publicados na revista científica doença de Parkinson.

O estudo envolveu 600 adultos com mais de quarenta anos, metade deles diagnosticados com a doença de Parkinson, 49,5% são mulheres.

Ele procurou controlar variáveis ​​como idade, sexo e população em que vivem.

Todos eles passaram por uma entrevista onde eles foram questionados sobre dados sócio-demográficos, emprego, história familiar de doença de Parkinson, exposição a substâncias tóxicas, consumo de tabaco ou álcool.

Além disso o controle de plasma de sangue foi realizada usando o Plasma Indutivamente Acoplado-Massa-Spectrometry- (ICP-MS) aplicado aos participantes 130, a metade diagnosticada com Parkinson.

Os resultados indicam que mantendo todas as outras variáveis ​​pessoais e sociodemográficos iguais, os fatores que contribuem para o perfil de risco são Parkinson, história familiar, exposição a substâncias tóxicas, consumo de álcool e de tabaco.

Nem medidas significativas no plasma.

Sabendo-se que quantos mais fatores de risco acumulam-se a pessoa tem ainda mais a possibilidade de desenvolvimento de Parkinson.

Prevenção do Parkinson

Uma limitação do estudo tem como alvo o mesmo, porque eles queriam controlar grande número de variáveis ​​externas, o que torna que os seus resultados não podem ser extrapolados para outras populações.

Assim, seria necessária uma nova pesquisa para ver se os resultados são mantidos no campo, ou em uma população não Mediterrâneo antes que possamos concluir o assunto.

Apesar de que, tendo um perfil da população em risco pode estabelecer planos de prevenção a este respeito, para que aqueles que são mais sensíveis a sofrer da doença de Parkinson pode ser monitorada, especialmente quando atingem uma idade de máximo risco para realizar a detecção precoce.

Da mesma forma, e como elas se desenvolvem técnicas a este respeito, pode ser estabelecidos programas de prevenção da doença de Parkinson, que incorpora técnicas dirigidas a esse fim entre os mais sensíveis a esta população doença, de modo a conseguir retardar o aparecimento da mesma.
De acordo com o estudo, pode ser concluído que a pessoa com um maior risco de doença de Parkinson é uma que tem uma história familiar da doença, que durante a sua vida tenha sido exposto a substâncias tóxicas, fumar e beber álcool regularmente.

No que diz respeito aos "pesos" destes fatores, o estudo mostra grandes diferenças entre os grupos de pacientes com doença de Parkinson e controles, hereditariedade e consumo de tabaco variável, seguido por exposição a substâncias tóxicas, sendo menos significativo o álcool.

A maior conscientização desses fatores que facilitam o desenvolvimento de Parkinson também ajuda as pessoas com uma história familiar da doença, entendem que suas chances de sofrer aumento se eles consomem tabaco ou álcool; prevenção e pode concentrar-se sobre estes dois fatores, sendo que o fator de toxicidade é mais difícil de controlar. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Juan Moises de la Serna.

Em resumo: tirando toxicidade de herbicidas, o fator comportamental é aquele que mais influencia no aparecimento do parkinson. Via de regra naqueles que querem abraçar o mundo com os braços, o que induz ansiedade, e abraçam cada vez mais compromissos, o custo é alto. E mesmo que o indivíduo tenha hábitos de monge, não está livre do parkinson, pois isto está no âmago do comportamento. - Opinião pessoal. Urge que a potencial vítima do Parkinson baixe a bola, antes que seja tarde. E com prever quantitativamente? Não há como!

Nenhum comentário:

Postar um comentário