sexta-feira, 16 de setembro de 2016

O que há de novos medicamentos para Parkinson?

Outono 2016 - Quando é que os medicamentos mais recentes e melhores estarão disponíveis para as pessoas com doença de Parkinson (DP)? Como eles vão ajudar você ou um ente querido que vive com DP?

Não podemos saber essas respostas, com certeza, mas podemos observar as possibilidades, olhando para a linha de pesquisa - o processo pelo qual os pesquisadores encontram e testam novos tratamentos.

Atualmente, os cientistas estão se concentrando em duas grandes categorias: as terapias que visam aliviar os sintomas da DP, e aquelas que mostram a promessa para retardar ou parar a sua progressão. Tratamentos em ambas as categorias estão fazendo seu caminho através das linhas de pesquisa. Embora seja difícil prever qual deles irá chegar ao mercado proximamente, podemos olhar para as tendências para ver onde estamos agora e onde nós poderemos estar no futuro.

O Processo de Desenvolvimento de Drogas

Cientistas identificam tipicamente novos medicamentos em uma das duas maneiras. Uma deles é para testar compostos que já estão aprovados na Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para uso no tratamento de outras doenças, para ver se eles também podem funcionar para a doença de Parkinson. A outra é a teorizar uma nova via que possa ser aplicável a doença de Parkinson, e, em seguida, a encontrar um composto que possa ser desenvolvido para atingir isto.

Sob ambas as abordagens, a terapia deve viajar através de um processo de várias etapas antes de ser aprovado para o mercado e atingir as pessoas que vivem com a DP.

A pesquisa básica / pré-clínica. Nesta fase, os cientistas olham para os blocos de construção da DP (o cérebro, os neurônios e as reações químicas) procurando pistas para nos ajudar a entender melhor a doença. Eles identificam novos compostos que têm potencial para tratar a DP, e os testam - em modelos de DP simples, tais como as células em uma placa de Petri; mais tarde, em modelos mais complexos, como levedura e moscas de fruta; e, em seguida, em modelos complexos, tais como ratos.

Testes clínicos. Uma vez que um potencial novo medicamento foi "validado" por meio de testes em animais, pode mover-se para a fase em que ele precisa ser testado em humanos, chamada de ensaios clínicos. Os ensaios clínicos normalmente são procedidos através de quatro fases.

Fase I: A droga é testada em 10 a 30 pessoas para a segurança.
Fase II: Uma droga é testada em um grupo de 50 a 150 pessoas para a segurança e eficácia no tratamento da DP.
Fase III: Uma droga é testada, normalmente em um grupo de 300 pessoas (mas até 3000) em vários locais. Este é o estudo definitivo que determina se uma droga é segura e eficaz - e, portanto, merece a aprovação do FDA - ou se ela cai no esquecimento.
Fase IV: Uma droga, depois de ter sido aprovada, pode ser monitorada em um julgamento "pós-mercado" para saber mais sobre como ela funciona ou se ele tem usos adicionais.

Os sucessos recentes e Decepções

Em menos de dois anos, três novas terapias para DP surgiram a partir do pipeline e receberam a aprovação da FDA. Dois oferecem novas formas de entregar carbidopa / levodopa, a medicação padrão ouro para a DP, enquanto um terceiro enderea os sintomas de psicose doença de Parkinson.

Carbidopa / Levodopa cápsulas de liberação prolongada (RytaryTM). Esta formulação de liberação prolongada de carbidopa / levodopa visa reduzir o tempo "off" para as pessoas que experimentam essa dificuldade quando se toma outra dose da terapia para DP com base na levodopa.

Carbidopa / Levodopa Enteral Suspensão (DuopaTM)(*). Esta forma de gel do fármaco é bombeada diretamente para o intestino para fornecer terapia contínua e evitar desgaste (off). Ela requer a colocação cirúrgica, no estômago, de um tubo através do qual o fármaco é distribuído.

Pimavanserin (NuplazidTM). Esta é a primeira droga a ser aprovada para o tratamento de sintomas relacionados com a psicose da DP, como alucinações e delírios.

Além da aprovação de novos tratamentos de Parkinson, vimos a aprovação de novos usos para um tratamento existente. A estimulação cerebral profunda (DBS) a cirurgia, que foi originalmente aprovado para DP avançada em 2002, foi agora aprovado para os estágios iniciais da doença de Parkinson. A cirurgia está disponível para pessoas que viveram com DP por pelo menos quatro anos, e que estão experimentando ou (i) início recente de complicações motoras, ou (ii) complicações motoras por uma duração mais longa que não tenham sido adequadamente controlada com medicamentos.

Por outro lado, dê uma olhada nos seguintes medicamentos. O que eles têm em comum? A resposta é que cada um deles se mostrou promissor nas fases iniciais de pesquisa, mas em ensaios em fase posterior, mostraram-se ineficazes.

AFQ056
Cere-120
Cogane
Coenzima Q10
creatina
Preladenant
PYM50028
ubiquinone

É decepcionante que estes medicamentos não se mostrasssem eficazes no tratamento da DP, mas é importante saber que o trabalho realizado para testá-las está ajudando a informar uma nova pesquisa.

Tendências da pesquisa: Terapias a virem
Depois que uma droga foi mostrada segura e eficaz num ensaio clínico de fase III, seus patrocinadores devem apresentar um novo Drug Application (NDA) ao FDA. Se o FDA aprova a requisição, o medicamento pode ser comercializado e vendido mos EUA. Agora há um NDA de revisão pendente pela FDA. Procure notícias sobre esta droga em breve.

Safinamida (Xadago®). Uma droga coadjuvante tomada com levodopa para estender o tempo "on". Ela está aprovado na Europa.

Tendências da pesquisa: Agentes Terapêuticos
Atualmente, existem muitas terapias existentes no mercado, que ajudam a aliviar os sintomas de motores da doença de Parkinson. Na linha terapêutica , os cientistas estão a testar novos medicamentos e novas formulações de medicamentos existentes para ajudar a controlar melhor os sintomas do movimento de Parkinson, diminuir efeitos colaterais, ou tratar os sintomas para os quais não existem medicamentos eficazes (por exemplo, questões cognitivas). Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Parkinson Disease Foundation. (tabelas na fonte)
(*) Droga sem perspectiva de lançamento no Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário