quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Conheça alguns mitos e verdades sobre a doença de Parkinson

29/09/2016 -- A doença de Parkinson envolve muitos rumores e até preconceito. A falta de conhecimento é um dos principais fatores para esse universo de dúvidas e julgamentos.

Muitas pessoas não sabem, mas o Parkinson é uma doença neurológica que afeta 4 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização das Nações Unidas, e, durante a doença, ocorre a queda dos níveis de dopamina no cérebro - substância responsável pela comunicação dos neurônios que comandam os movimentos do corpo. Como ela se distribui amplamente no organismo, qualquer parte do corpo pode ser atingida.

A partir disso, é possível entender um pouco mais como a doença afeta o organismo, interferindo no controle que o paciente tem de seus movimentos. O indício mais conhecido é o tremor, porém existem outros sintomas provenientes da doença e cada paciente pode vivenciá-los de maneira diferente.

"No momento do diagnóstico, a maior dúvida do paciente é como a doença vai evoluir e como afetará a sua vida. Esses questionamentos serão respondidos com o tempo, pois a doença de Parkinson age em cada um de maneira particular", explica a neurologista Roberta Arb Saba.

O diagnóstico, muitas vezes, pode ser difícil. É preciso um acompanhamento minucioso do neurologista, que identificará a doença observando os sintomas apresentados pelo paciente. A doença não tem cura, porém há tratamentos que contribuem para a melhor qualidade de vida do paciente.

"Hoje, a indústria farmacêutica avançou muito nas opções de tratamento da doença de Parkinson. Há medicamentos que aliviam os sintomas para que o paciente tenha mais autonomia e maior controle de seus movimentos", explica Marco Petti, diretor médico de uma empresa farmacêutica.

Mas, afinal, o que é verdade ou mentira sobre essa doença que afeta tantas pessoas? Conheça abaixo algumas das principais dúvidas.

Mitos
O tremor é um sintoma exclusivo da doença de Parkinson.

Outras doenças neurológicas ou fatores externos também podem causar tremores nas mãos e outras partes do corpo. Por isso é importante manter uma rotina médica para a identificação precoce de qualquer doença.

Apenas idosos podem ser diagnosticados com a doença.

A maioria das pessoas com Parkinson é diagnosticada por volta dos 60 anos, mas estimativas apontam que, em torno de 15% das pessoas com a doença, podem ter os primeiros sintomas motores antes dos 40 anos.

A pessoa com doença de Parkinson não consegue trabalhar.

A doença se manifesta de forma diferente nos pacientes. Além disso, há tratamentos que ajudam o paciente a manter a autonomia por mais tempo e realizar diversas atividades sozinho, inclusive ter uma rotina de trabalho normal.

O paciente com doença de Parkinson não pode praticar atividade física.

Praticar exercícios não é proibido, pelo contrário, é recomendado. O tipo e a intensidade da atividade vão depender do quadro clínico do paciente. Segundo a Dra. Roberta, "a prática de atividade física colabora para a qualidade de vida do paciente e para a melhora de seus movimentos". O médico é a pessoa indicada para avaliar cada quadro e dar as orientações da melhor atividade.

Verdades
Não há cura para a doença.

Infelizmente, ainda não há cura, entretanto há tratamentos que aliviam os sintomas causados pela doença e permitem que os pacientes convivam bem com ela. Além disso, quando o paciente não responde mais aos medicamentos, há a possibilidade de realizar intervenção cirúrgica.

A doença é degenerativa.

Com o passar do tempo, ela pode ir afetando cada vez mais as funções motoras e não motoras do paciente, porém cada pessoa passará pela evolução em um tempo determinado, não sendo possível determinar com antecedência como a doença vai avançar.

A doença não afeta apenas o sistema motor.

Sintomas não motores, como dificuldade para dormir, depressão, apatia, ansiedade, pensamento lento ou perda de memória, constipação e perda do olfato também se manifestam em alguns pacientes.

Quanto mais cedo se inicia o tratamento, melhor.

Como o Parkinson é uma doença progressiva, médicos defendem que, quanto antes se iniciar o tratamento, melhor para o paciente seguir com uma vida normal, minimizando os impactos dos sintomas.

É importante cuidar da alimentação!

Alimentar-se bem é indicado para todas as pessoas e, para um paciente com doença de Parkinson, pode ser um hábito ainda mais benéfico.

Uma dieta balanceada e com os nutrientes e vitaminas corretas pode aliviar alguns sintomas, como a perda de peso por falta de apetite, a constipação e os ossos fracos. O nutricionista poderá ajudar com a dieta adequada dependendo do tipo de medicação utilizada pelo paciente. Fonte: Bonde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário