segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Um passo em frente para os doentes de Parkinson

O aplicativo pode ser baixado no celular.
O centro de pesquisa Tecnalia já obteve os primeiros resultados positivos com pacientes através de um aplicativo móvel

22 de agosto de 2016 - É possível que os episódios de "congelamento" em pacientes de Parkinson tenha seus dias contados. Adeus à sensação de ter os pés presos ao chão impedindo a marcha. Esta doença é uma desordem neurológica crônica, degenerativa e incapacitante, que afeta mais de 150.000 pessoas em todo o estado, dos quais um em cada cinco têm menos de cinquenta anos. No caso de Gipuzkoa estima-se que existam entre 1.000 e 1.400 pessoas afetadas, e em cada ano 140 novos casos são diagnosticados.

O centro de pesquisa Tecnalia tem desenvolvido, em colaboração com três universidades européias e um hospital, uma aplicação móvel, através da música, a melhorar o ritmo da marcha. "É um sistema que procura explorar a relação entre música e movimento, como todo mundo se move para a música", explica Erik Hernandez, gerente de projeto da Tecnalia.

"A ideia é que o utilizador usea sensores sobre os pés que seja responsável pela medição das fases do passo. Tal informação é recebida no telefone, o aplicativo 'Beat Saúde' interpreta e adapta-se ao ritmo da música que o usuário escolheu para sincronizar com a marcha ", acrescenta. Assim, a música torna-se uma referência e estabiliza o passo tornando-o mais natural. Ele também está ligado a uma plataforma na nuvem, onde a evolução do paciente é armazenada.

Os afetados podem regular sua marcha através da música, graças a uma nova aplicação.
O projeto destina-se a pessoas que têm algum tipo de problema de marcha, mas concentra-se em doentes de Parkinson, que são aqueles que estão fazendo os testes. Ele está testando sua eficácia com os sessenta pacientes franceses entre 60 e 80 anos. "A primeira rodada de doze testados em junho. Os resultados mostram que um em cada dois experimentaram uma melhoria ao caminhar. A outra metade passou a seguinte: da mesma forma que há pessoas em uma discoteca razoavelmente bem com a batida rítmica, outros não, porque a ligação entre a música e movimento não são tão desenvolvidas. Com a aplicação é o mesmo. Há alguns em que a aplicação não serve a dois, mas também melhoram um pouco ", explica Hernandez.

Também para os corredores

Os pesquisadores observaram que metade dos usuários usá-lo depois de meia hora por dia, cinco dias por semana durante um mês, melhoram a execução, mesmo sem usar o sistema. Ou seja, pode-se falar de "um sistema de" reabilitação" porque ajuda a manter esse benefício ainda não utilizando o sistema."

Eles trabalham simultaneamente em uma outra aplicação que é baseado no conceito de adaptação para o passo ritmo, mas destina-se a corredores não profissionais. O aplicativo poderia segui-los, dar-lhes mais informações e ajudá-los a funcionar mais eficientemente.

Ambos os projetos estão a trabalhar em Tecnalia desde outubro de 2013, em colaboração com a Universidade de Montpellier, na França e um hospital na mesma cidade, a Universidade de Ghent, na Bélgica e na Irlanda Maynooth. A equipe é composta de pesquisadores e doutores em engenharia, musicologia e neurologia. "É uma equipe multidisciplinar", dizem.

Em relação à comercialização do produto, Hernandez não pode garantir uma data. "Acreditamos que até o final de 2017 poderia acabar com o período de teste e em 2018 o início da venda, apesar de que deveria haver uma empresa que queira comercializar", e acrescentou que, durante o período de teste poderia tentar alguns guipuzcoanos que devem ser partes interessadas e contactar a Tecnalia. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Diario Vasco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário