sábado, 13 de agosto de 2016

Os cientistas zeram a área do cérebro ligada à 'marcha no Parkinson'

Sexta-feira, agosto 12, 2016 (HealthDay News) –O córtex pré-frontal do cérebro pode desempenhar um papel nas dificuldades no andar que afligem os pacientes com doença de Parkinson, sugere nova pesquisa.

O córtex pré-frontal está envolvido na função cognitiva, que inclui pensamento, raciocínio e lembranças.

Esta nova descoberta é uma nova abordagem para a compreensão destes problemas do caminhar e pode levar a novos tratamentos, de acordo com os pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel.

A doença de Parkinson é uma perturbação do movimento crônica progressiva. Os pacientes muitas vezes embaralham os pés, seus passos ficam alternadamente lentos e rápidosa. Às vezes, eles congelam no lugar. Juntos, estes sintomas são conhecidos como "marcha de Parkinson." Junto com a redução da mobilidade dos pacientes, a caminhada prejudicada pode levar a quedas perigosas.

Os doentes de Parkinson foram convidados pelos pesquisadores para caminhar e fazer uma tarefa mental - como a nomeação de frutas ou fazer subtração - ao mesmo tempo. Como eles fizeram, sua caminhada foi mais lenta e menos estável do que quando andaram sem fazer uma tarefa mental.

Isto sugere que os recursos cognitivos em uso, enquanto eles andam desempenham um papel nas dificuldades do andar experimentadas pelos pacientes de Parkinson, de acordo com os pesquisadores.

As varreduras do cérebro de pacientes de Parkinson mostraram que o córtex pré-frontal foi ativado mesmo quando os pacientes apenas imaginaram que estavam andando.

"A super-ativação do córtex pré-frontal tem um efeito em duas frentes em pacientes com Parkinson. Uma vez que o córtex pré-frontal é "saturado", é incapaz de executar outras tarefas, prejudicando a marcha e criando déficits cognitivos. A debilidade é dupla", disse o co -leader Anat Mirelman, um investigador no departamento de neurologia.

O co-líder do estudo, Jeffrey Hausdorff é professor de medicina. "O aumento da ativação durante a marcha normal reduz a capacidade dos doentes de Parkinson a recrutar mais recursos cognitivos durante outras tarefas desafiadoras. Pode até exacerbar o alto risco de cair nesses pacientes", disse ele em um comunicado de imprensa da universidade.

Os resultados foram publicados recentemente nas revistas Parkinsonism and Related Disorders andNeurorehabilitation and Neural Repair. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: HealthDay News.

Nenhum comentário:

Postar um comentário