domingo, 22 de maio de 2016

UFRGS faz testes com treino europeu para tratar pacientes com Parkinson

Pesquisadores buscam maior qualidade de vida para quem tem a doença.
Caminhada nórdica, criada na Europa, já dá resultados em Porto Alegre.

21/05/2016 - Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) testam um novo treinamento corporal, baseado na caminhada nórdica, um exercício criado na Europa, como forma de melhorar a qualidade de vida de pacientes com Parkinson. Em Porto Alegre, a iniciativa vem dando resultados (veja mais no vídeo, na fonte).

Marcus ficou sem dirigir por um ano. Faltava força nas pernas e coordenação. Depois de iniciar o tratamento, ele passou a ir de carro duas vezes por semana para um compromisso que, junto com a medicação, levou mudanças a sua rotina.

Caminhada Nórdica melhora qualidade de vida
de quem tem parkinson, aponta estudo
(Foto: Reprodução/TV Globo)
"Eu melhorei minha condição física, minha saúde melhorou bastante, eu estava muito abatido, bastante deprimido pelo fato de ter Parkinson", diz o empresário.

Os compromissos para os quais Marcus vai de carro são os encontros na Escola de Educação Física da UFRGS, onde ele e um grupo de pessoas que também têm Parkinson se reúnem para caminhar, mas de um jeito diferente.

Há três anos, os efeitos da caminhada nórdica são pesquisados, a partir da ideia da professora de educação física e aluna de doutorado de Ciências da Saúde Elren Passos Monteiro. Esse tipo de exercício, inventado por esquiadores que não queriam perder o preparo físico em meses sem neve na Europa, usa bastões.

O Parkinson provoca tremores e enrijecimento. Mas o bastão dá impulsão e equilíbirio. Assim, os pacientes fortalecem os músculos. "Antes, quando ia com a minha esposa no shopping, dava vontade de parar de caminhar de tanto que eu tremia. Sabe aquelas floreiras? Dava vontade de sentar na floreira, de tão cansado que ficava", lembra o aposentado Emilson Fraga. "Agora ela pede pra eu ir mais devagar um pouco", completa, referindo-se à mulher.

O neurologista e professor da UFRGS Carlos Rieder explica que a coordenação entre braços e pernas ensina ao cérebro uma nova forma de andar. "Ela cria um ritmo, ela cria uma cadência, e isso certamente modifica coisas cerebrais que a gente não tem muita ideia do que está acontecendo. Mas o importante é que na vida diária das pessoas os resultados são bem interessantes e parecem promissores", destaca.

Como vem dando resultados, a pesquisa virou um projeto permanente na universidade. "O que mais surpreende nisso tudo é que eles voltam a viver novamente. É um projeto que resgata não só parâmetros clínicos e funcionais, mas de autoestima", ressalta Elren Passos Monteiro, professora de educação física e aluna de doutorado de Ciências da Saúde. Foi ela que deu iniciou o estudo para tratar os pacientes com a caminhada nórdica. Fonte: Globo G1.

6 comentários:

  1. Parabéns gente querida e lutadora!
    Sucesso, muito sucesso!!
    Neusa Thomé

    ResponderExcluir
  2. Sensacional...Parabéns pelo trabalho

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito dessa forma de caminhada para ajudar no tratamento do Parkinson. Quanto tempo de caminhada seria indicado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na UFRGS temos 2 horas por semana, com acompanhamento e auxílio para aquecimento e o posterior alongamento, com testes de desempenho periódicos.

      Excluir
  4. Vocês não pensam em trazer esse projeto para o rj, me interessei em fazer mas preciso de uma orientação. Vocês não pensam em orientar algum fisioterapeuta do Rio para fazer um grupo e difundir o tratamento.
    Estou interessado em formar o grupo de caminhada nórdica mas necessito de orientação para criar o grupo.Deixe seu telefone ou entre em contato pelo meu (21)999999049.
    atenciosamente.
    Antônio Luiz Salgado de ABREU.

    ResponderExcluir
  5. Antônio, recomendo procurar o grupo do facebook "Xô Parkinson".

    ResponderExcluir