sexta-feira, 8 de abril de 2016

Nova pista em busca de tratamentos que retardam o envelhecimento

8 April 2016 - Nova pesquisa publicada hoje pela Parkinson UK co-financiadora identificou um novo alvo vital na busca de tratamentos que podem retardar o envelhecimento, e um dia poderão prevenir doenças como Parkinson.

O estudo, publicado hoje na Cell Reports, investigou como dar cloreto de lítio - uma droga que é normalmente utilizada para tratar a depressão - afeta a vida útil em moscas de fruta.

O que os pesquisadores fizeram

A equipe baseada na University College London deu diferentes doses de cloreto de lítio para moscas das frutas adultas para medir o efeito sobre a expectativa de vida.

É encorajador ver que os pesquisadores foram capazes de identificar uma peça chave do quebra-cabeça de envelhecimento, que um dia poderá permitir-nos intervir no processo de envelhecimento.
Doses mais altas reduziram expectativa de vida, mas doses mais baixas prolongavam a vida por uma média de 16%.

A equipe descobriu que o cloreto de lítio atrasa o envelhecimento, bloqueando uma molécula dentro de células chamadas GSK-3.

O lítio é uma droga poderosa que pode causar efeitos secundários significativos, então não é provável que ela possa ser usada para retardar o envelhecimento em pessoas. Mas esta descoberta abre a porta para o desenvolvimento de novos tratamentos, mais inteligentes que visam a GSK-3 e retardar o processo de envelhecimento.

Quais são os próximos passos?

A investigadora principal, a Professora Dame Linda Partridge, disse:

"Nosso objetivo é identificar formas de intervir no envelhecimento, com o objetivo final de manter-nos a todos mais saudáveis por mais tempo e comprimir o tempo no final da vida, quando sofremos de declínio físico e doenças.

"A resposta que vimos nas moscas a baixas doses de lítio é muito encorajador e nosso próximo passo é olhar para segmentação da GSK-3 em animais mais complexos com o objetivo de, eventualmente, desenvolver um regime de droga para testar em seres humanos."

O que isso significa para as pessoas com Parkinson?

Claire Bale, Chefe de Comunicações de investigação no Reino Unido de Parkinson, diz:

"É encorajador ver que os pesquisadores foram capazes de identificar uma peça chave do quebra-cabeça de envelhecimento, que um dia poderá permitir-nos intervir no processo de envelhecimento.

"A investigação continua para descobrir novos fatores de risco para Parkinson. No entanto, o maior fator de risco para desenvolver a doença é a idade e as implicações para a saúde que vêm com o envelhecimento.

"Apesar de Parkinson poder afetar pessoas mais jovens, a grande maioria das 127.000 pessoas que vivem com a doença no Reino Unido tem mais de 65 anos de idade.

"Esta pesquisa tem o potencial para não só ajudar a criar uma saudável geração mais velha, mas também proporcionar insights significativos em como poderíamos potencialmente tratar ou mesmo prevenir doenças do envelhecimento como Parkinson." Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Parkinsons.

Nenhum comentário:

Postar um comentário