sexta-feira, 18 de março de 2016

Estamos tratando da fala no Parkinson tudo errado?

Os pacientes lutam para falar, porque eles não podem manter-se na conversa - por causa do declínio muscular
A doença é uma condição neurológica progressiva que destrói as células do cérebro
70% dos doentes têm problemas com sua fala e comunicação
Não existe cura com o tratamento focalizado em tratar os sintomas
Problemas de fala agora encontrados são devidos a um declínio na função cognitiva

17 March 2016 | A descoberta leva esperança para novos tratamentos de pessoas com a doença, tais como o boxeador Muhammad quem tem a condição

Os doentes de Parkinson lutam para falar, porque eles não podem manter-se com a conversa - não por causa de problemas físicos como os médicos pensavam anteriormente.

A descoberta, feita por cientistas das Universidade de East Anglia e de Aberdeen, promete mudar a forma como terapeutas tratam a doença.

Cerca de 127.000 pessoas no Reino Unido são acreditadas por terem a doença de Parkinson, o que provoca tremores, rigidez muscular e de movimento reduzido.

Muitos pacientes também lutam para falar claramente, que os médicos têm assumido como devido à dificuldade física de terem controle de seus músculos faciais.

Mas agora os especialistas descobriram que os problemas de fala ocorrem devido a um declínio na função cognitiva - em vez de problemas físicos.

A equipe, cujo trabalho foi publicado no Journal of Parkinson’s Disease, pediu uma mudança na forma como a condição é tratada.

Eles disseram que a maioria das terapias da fala centra-se em controle motor - em vez de trabalhar em novas maneiras para os pacientes a manterem-se com conversa.

O líder do estudo Dr. Maxwell Barnish, da Universidade de Aberdeen, disse: "Cerca de 70 por cento das pessoas com Parkinson têm problemas com a fala e comunicação, que podem realmente afetar sua qualidade de vida.

"Os pesquisadores e clínicos têm no passado focado nos problemas físicos que os pacientes têm para fazer seu discurso claro.

"Mas os próprios pacientes dizem que os problemas são mais complexos e são mais a ver com comprometimento cognitivo - por exemplo, não serem capazes de pensar rápido o suficiente para manterem-se com conversas ou não serem capazes de encontrar as palavras certas.

"Eles dizem que isso tem o maior impacto sobre a sua capacidade de se comunicar na vida cotidiana.

"Queríamos realmente priorizar os problemas que os pacientes experimentam -. E para descobrir se é a nitidez da voz, ou estas questões mais cognitivas, que têm o maior impacto na comunicação cotidiana".

A Doença de Parkinson é uma doença neurológica progressiva que destrói as células do cérebro que produzem dopamina, um mensageiro químico, na parte do cérebro que controla o movimento.

Os cientistas já se esforçam para fazer quaisquer avanços significativos na busca de uma cura, e os tratamentos são limitados aos medicamentos que controlam os sintomas.

A equipe de investigação realizou a primeira revisão sistemática para analisar se as questões cognitivas ou problemas de fala físicas criam as maiores barreiras para a comunicação.

Eles vasculharam cerca de 5.000 estudos em busca de dados úteis, e encontraram 12 estudos relevantes envolvendo 222 pacientes.

A equipe escreveu: "paradigmas estabelecidos na conceitualização e tratamento das dificuldades de comunicação na doença de Parkinson têm predominantemente analisado as alterações motoras do nível de deficiência na fala. '

Eles disseram que as descobertas "representam um desafio para prevalecentes práticas de avaliação e tratamento".

A Dr Katherine Deane, da Escola de Ciências da Saúde da UEA, disse: "O que essa pesquisa nos diz é que os terapeutas de fala e linguagem precisa avaliar os problemas cognitivos de pessoas com Parkinson, bem como a sua clareza de voz quando se tenta melhorar a comunicação cotidiana.

"Pode ser que os pacientes que estão lutando com o pensar rapidamente precisam de diferentes estratégias de comunicação para ajudá-los na vida cotidiana."

Daiga Heisters da Parkinson´s UK disse: "Sabemos como é importante que a terapia de fala e linguagem para as pessoas com Parkinson leve em conta as questões cognitivas, juntamente com problemas de fala física.

"É por isso que é essencial que as pessoas com Parkinson sejam capazes de ver um fonoaudiólogo com uma compreensão da condição que seja capaz de se concentrar nas necessidades específicas do indivíduo."

Dr Katherine Deane disse: "Precisamos de fonoaudiólogos trabalhando com pessoas com Parkinson para mudar o foco de sua atenção ao invés de apenas tentar melhorar a clareza do discurso para ensinar-lhes estratégias cognitivas para ajudá-los a se envolver mais na comunicação cotidiana.

"Estas poderiam incluir deixar seus amigos saberem que eles ficam menos estressados, se eles perderem o controle da conversa, sentirem que podem pedir para serem inteirados sobre o que está sendo discutido." Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Daily Mail.

Nenhum comentário:

Postar um comentário