quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Perspectiva do paciente de Parkinson

Por Paula Gibeson

Tue, Feb 2, 2016 – A perspectiva do Parkinson’s PatientTeachers nem sempre tem o olhar como
instrutores, livros, ou mesmo enfermeiras. Quando eu olhei para seus rostos eu vi uma fonte de informação. Esta foi uma oportunidade de aprender em primeira mão do que a doença chamada Parkinson tratava.

Com dez anos de experiência de enfermagem em geriatria, tive cuidado com mais indivíduos com Parkinson do que eu poderia lembrar. Fui convidada a liderar uma sessão para um grupo de apoio local. Antes do evento, preparei uma lista de tópicos para discutir sabendo que eles provavelmente teriam perguntas. Eu pensei que eu estava pronta. Então, pouco antes de eu começar a falar, eu olhei para cada pessoa. Como poderia eu, uma enfermeira, possivelmente saber mais do que já vivi.

Deixando de lado minhas anotações, ouvi-me anunciar: "Eu sei que nós viemos aqui para me ouvir falar. Mas eu quero ouvir. Eu quero saber as suas histórias. Suas frustrações, desejos e desafios ".

Doença de Parkinson e Medicamentos
Nós começamos a falar de medicamentos. Cada um declarou o que estava tomando de medicamentos. Como se tratava de listar os medicamentos que os ajudaram, a próxima pessoa entrou na conversa quando eles sugeriram que a medicação causa alucinações ou pioraram os seus sintomas. Medicamentos destinados ao tratamento de um tremor causaram uma discinesia que os impediu de serem capazes de simplesmente sentar. Dois indivíduos não podiam tolerar uns ou outros medicamentos.

Em seguida, eles conversaram sobre os tempos de medicação. Alguns medicamentos só eram usados duas vezes por dia. Outros tomavam medicamentos até sete vezes diferentes durante todo o dia e noite. Tudo o que eles estavam tentando atingir era a capacidade de cuidar de si mesmos. Para levantar-se quando quisessem. Para chegar até a seu elevador a pé e avançar a qualquer momento em que eles precisassem chegar ao banheiro.

Mensagem do paciente para enfermeiras
Quando eu perguntei-lhes para me dizer qual a mensagem que eles queriam que transmitisse aos outros enfermeiros, um cavalheiro que lidava com Parkinson há mais de 14 anos indicou de forma sucinta: "Diga-lhes que eu só quero um dia de folga."

Aquele momento foi há mais de 20 anos atrás. Em uma série de artigos, vou detalhar para enfermeiros exatamente como eles fazem a diferença para alguém com doença de Parkinson. Eu também vou especificar como os enfermeiros têm a oportunidade e a responsabilidade de realizar exatamente o que os doentes de Parkinson precisam e os enfermeiros precisam saber. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Nurse Together.

Nenhum comentário:

Postar um comentário