sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Equipe japonesa encontra uma nova maneira de criar células-tronco para pesquisa de Parkinson

19 de fevereiro de 2016 - Pesquisadores das universidades de Juntendo e de Keio estabelecem uma forma mais rápida e mais fácil de gerar células iPS de pessoas com doença de Parkinson, uma descoberta que alegam irá percorrer um longo caminho no desenvolvimento de uma cura para a doença neurológica.

Em um artigo publicado sexta-feira na revista Stem Cell Reports, os pesquisadores liderados por Nobutaka Hattori e Hideyuki Okano relatam que estabeleceram uma tecnologia para estudar um grande número de pacientes, usando células iPS derivadas de seu sangue. A chave encontra-se em seu sucesso em transformar as células em células-tronco neurais de forma mais eficiente, o que lhes permite controlar a forma como a doença progride em tubos de ensaio. Eles também podem estudar como elas reagem aos produtos químicos, trazendo uma cura mais perto.

"Este método vai nos permitir usar células iPS derivadas de vários milhares de pacientes com doença de Parkinson tratados na Universidade de Juntendo, a fim de estudar o mecanismo da doença", disseram as universidades em um comunicado. "Nosso objetivo é criar um Cell Bank de iPS da doença de Parkinson "em uma escala nunca vista em qualquer outro lugar no mundo."

As células-tronco pluripotentes induzidas são tradicionalmente feitas a partir de células da pele, exigindo que os pacientes passem por uma biópsia. Tomar amostras de sangue é menos invasivo, uma vez que não deixa cicatrizes, mas as células derivadas do sangue são mais difíceis de converter em neurônios.

Os pesquisadores disseram que eles superaram isso por cultura das células iPS, sob certas condições, como em um ambiente de baixo oxigênio, e convertendo-as para neurônios de forma mais eficiente. Enquanto os métodos tradicionais requerem 30 a 50 dias para as células iPS se tornarem neurônios, o novo método pode conseguir isso em uma ou duas semanas, disse Wado Akamatsu, professor do Centro de Genômica e Medicina Regenerativa da Universidade de Juntendo.

De acordo com o Japan ​​Information Center de doenças intratáveis, 100.000 pessoas no Japão têm Parkinson, e o número deverá aumentar, com a longevidade da população. Enquanto o tremor é o sintoma mais comum, a doença é também conhecida por causar rigidez e movimento lento.

Embora existam muitas teorias sobre as causas, nenhuma jamais foi provada e muitos mistérios permanecem. Cerca de 10 por cento da desordem é genética, enquanto o resto é causado por fatores ambientais, disse Hattori da Juntendo. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Japan Times.

Nenhum comentário:

Postar um comentário