sábado, 23 de janeiro de 2016

Filmagens dos primeiros de tratamentos de Parkinson encontradas após 50 anos



George Cotzias: Parkinson’s pioneer
Bob Peter/ The LIFE Images Collection/Getty

21 January 2016 - Vídeos descobertos mostram as primeiras pessoas a serem tratadas para os sintomas da doença de Parkinson. A filmagem, escondida durante meio século, mostra mineiros chilenos com problemas graves de circulação melhorando com doses diárias de L-dopa.

Os vídeos foram filmados por George Cotzias no Laboratório Nacional Brookhaven em Upton, Nova York. Em 1963, enquanto estudava os efeitos tóxicos do manganês em tecidos humanos, Cotzias aprendeu de quatro trabalhadores na mina de Corral Quemado del na Andacollo, Chile, que havia desenvolvido uma síndrome chamada manganismo - que se assemelhava a Parkinson - por meio de inalação de pó de manganês.

Cotzias viajou ao Chile para incluir os mineiros em um teste de levodopa, em um bloco de construção químico que o corpo converte em dopamina, cujos níveis baixos causam movimentos descontrolados em pessoas com Parkinson. L-dopa estava sendo testada em pacientes de Parkinson ao mesmo tempo mas com pouco sucesso - mesmo pequenas quantidades causavam efeitos colaterais adversos que impediam uma dose suficientemente alta de chegar ao cérebro.



O filme mostra claramente os graves problemas para caminhar que viram os mineiros terem antes do tratamento. Após vários meses de receberem uma dose diária de L-dopa, eles foram capazes de alimentar-se, fazer a barba, amarrar os cadarços, e movimentarem-se.

Um sucesso duradouro
"É uma parte muito importante da história da neurologia", diz Marcelo Miranda, pesquisador da Clínica Las Condes, em Santiago, Chile, que encontrou a filmagem, algumas das quais foi mostrada em uma conferência na década de 1960, mas não foi visto desde então. "É o único documento disponível desse período que mostra os primeiros pacientes com sintomas de Parkinson tratados com L-dopa e sua resposta extraordinária".

Trabalhando com Ismael Mena na Universidade Católica do Chile, Cotzias mostrou que a L-dopa tem um efeito dramático sobre os sintomas de Parkinson. Inicialmente, Cotzias acreditava que a droga funciona de uma forma diferente. Esperava que a L-dopa iria inverter a descoloração de uma área do cérebro chamada de substancia nigra, que também tem sido associada à doença de Parkinson. Em vez disso, os mineiros melhoraram porque a L-dopa ajudou a tratar a sua deficiência de dopamina.

Cotzias acha que sucesso onde outros falharam foi porque ele elevou a dose de L-dopa dos mineiros lentamente, observando os efeitos durante um longo período de tempo, o que permitiu que o seu estudo passasse o período de deficit antes de L-dopa começa a trabalhar.

Em seguida, os pesquisadores tentam insistir no mesmo procedimento de Cotzias em outras pessoas com a doença de Parkinson. Depois de terem visto os seus vídeos, eles repetiram os testes com igual sucesso, e quase 50 anos depois, L-dopa continua a ser o agente mais eficaz para o tratamento da doença de Parkinson.

Journal reference: Neurology, DOI: 10.1212/WNL.0000000000002223
Read more: People with Parkinson’s walk again after promising drug trial
Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: NewScientist.

2 comentários:

  1. Meu filho de 19 anos com parkinson ja estava na cadeira de rodas, sem conseguir comer sozinho, sem andar, sem levantar ou deitar sozinho. Com um dia de prolopa voltou a uma vida normal. Quase 100%.

    ResponderExcluir
  2. A L-Dopa parece fazer mágica, mas vá com muita calma, tanto a falta como excessso são prejudiciais.

    ResponderExcluir