terça-feira, 27 de outubro de 2015

Patogênese da doença de Parkinson o eixo intestino-cérebro e fatores ambientais

27 October 2015 - A Doença de Parkinson (DP) segue um padrão clínico definido, e uma gama de sintomas não motores precedente à fase motora. As predominantes manifestações precoces não motoras são o prejuízo olfativo e a constipação. A patologia que acompanha estes sintomas é consistente com o sistema de estadiamento Braak: α-sinucleína no núcleo motor dorsal do nervo vago, o bulbo olfativo, o sistema nervoso entérico (ENS) e a glândula submandibular, cada uma das quais é uma porta de entrada para o ambiente. O processo que conduz a alterações neuropatológicas na DP parece começar no ENS ou bulbo olfativo e espalha-se através da transmissão rostrocranial a substantia nigra e mais para dentro do SNC, levantando a possibilidade intrigante de que as substâncias ambientais podem provocar patogénese. Evidências de estudos epidemiológicos e em modelos animais apoiam esta hipótese. Por exemplo, em ratos, a administração intragástrica de rotenona o pesticida pode reproduzir quase completamente as características típicas e patológicas clínicas da DP. Nesta revisão, apresentamos evidências clínicas e patológicas para apoiar a hipótese de que a DP começa no intestino e se espalha através de transferência trans-sináptica célula-célula de patologia através dos sistemas nervoso simpático e parassimpático a substância nigra e no SNC. Consideramos também como os fatores ambientais podem desencadear patogênese, e o potencial alvo terapêutico para os mecanismos destas fases iniciais. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Nature.

Nenhum comentário:

Postar um comentário