sexta-feira, 28 de agosto de 2015

As células do cérebro 'queimam' na doença de Parkinson

28 August 2015 - As células do cérebro na doença de Parkinson esgotam-se e morrem prematuramente, queimando como um "superaquecimento do motor", sugere um estudo inicial.

Pesquisadores canadenses dizem que as descobertas podem ajudar a explicar porque apenas pequenas partes do cérebro são afetadas na doença.

O Parkinson é causado por uma perda de células nervosas em certas áreas do cérebro - mas porque essas células são vulneráveis ​​tem sido um mistério.

O trabalho aparece na revista Current Biology.

Tremor e rigidez
Estima-se que 127.000 pessoas no Reino Unido tenham a doença de Parkinson, o que pode levar a um tremor pronunciado, movimento lento, e rigidez muscular e inflexíveis.

Neste trabalho, os cientistas da Universidade de Montreal estudaram a doença em células de ratos.
Eles descobriram, ao contrário de outras células cerebrais semelhantes, que os neurônios mais freqüentemente envolvidos na doença de Parkinson são complexos e com muito mais ramificações.

As células também tinham necessidades de energia muito mais elevadas, produzindo mais resíduos de produtos como se elas conhecessem essa necessidade.

Os pesquisadores sugerem que é o acúmulo desses resíduos de produtos que desencadeia a morte celular.

O Prof Louis-Eric Trudeau disse: "Como um motor funcionando constantemente em alta velocidade, esses neurônios precisam produzir uma quantidade incrível de energia para funcionar.

"Eles parecem esgotar-se e morrer prematuramente."

A equipe espera que esta descoberta possa ajudar a criar modelos experimentais melhores do Parkinson e identificar novos tratamentos.

Interesse reacende
Eles sugerem, por exemplo, que a medicação poderia um dia ser desenvolvida para ajudar a reduzir a necessidade de energia das células ou aumentar a sua eficiência energética.

O Dr Arthur Roach, da Parkinson UK, disse: "Fora dos bilhões de células no cérebro, é sempre o mesmo pequeno grupo que degenera e morre no Parkinson. Nós não sabemos por que apenas estas células são afetadas.

"Este estudo fornece forte apoio à idéia de que é a única estrutura e função dessas células que as torna especialmente suscetíveis a um processo prejudicial chamado estresse oxidativo.

"Esperamos que este estudo reacenda o interesse na abordagem, e até mesmo levar a novos tratamentos baseados em idéias mais up-to-date sobre estresse oxidativo". (original em inglês, tradução Google, revisão Hugo) Fonte: BBC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário