quinta-feira, 23 de julho de 2015

Disfunção serotoninérgica da alfa-sinucleína A53T em modelo de rato com doença de Parkinson

23/07/2015 - Resumo
A doença de Parkinson, definida neuropatologicamente pela agregação de alfa-sinucleína, é caracterizada por sintomas neuropsiquiátricos tais como depressão e ansiedade que precedem o início dos sintomas motores. Uma perda de neurônios serotonérgicos ou as suas projeções no hipocampo, e alterações na liberação de serotonina podem estar ligadas a estes sintomas. Aqui, nós investigamos o efeito da alfa-sinucleína A53T humana em neurônios serotoninérgicos utilizando camundongos transgênicos de 12 meses de idade. Detectamos alfa-sinucleína humana na pericária de neurônios medianos da rafe do tronco cerebral e dorsal, bem como em fibras serotonérgicas no hipocampo. Apesar da acumulação intracelular de alfa-sinucleína não houve perda de neurônios serotonérgicos no rafe dorsal e núcleos medianos de ratos com alfa-sinucleína A53T. No entanto, os níveis de serotonina foram significativamente reduzidos no tronco cerebral. Além disso, a densidade de fibra serotoninérgica no giro dentado dorsal foi significativamente menos denso em ratos transgênicos. Curiosamente, foram detectadas um aumento significativamente comprometido de duplacortina + neuroblastos após tratamento crônico com fluoxetina no local da inervação serotonérgica reduzida, a lâmina infrapyramidal do giro dentado dorsal em ratos com a A53T alfa-sinucleína. Isto sugere que a alfa-sinucleína afeta projeções serotonérgicas num padrão espacialmente distinto dentro do hipocampo de forma a influenciar a resposta ao tratamento com antidepressivos.

Este artigo é protegido por direitos autorais. Todos os direitos reservados. (original em inglês, tradução Google, revisão Hugo) Fonte: On line library Wiley.

Nenhum comentário:

Postar um comentário