domingo, 12 de julho de 2015

A Duras penas

Num mundo anestesiado, a dor virou a escória que a medicina tem de resolver.
"La columna rota", Frida Kahlo (1944). Foto ilustrativa do texto.
11 de julho de 2015 - Matéria interessante, sobre o livro "Antropologia da Dor" do antropólogo francês David Le Breton: "Se a dor é uma bússola que aponta o aparecimento de uma doença a ser tratada, ela obedece a diversos polos e embaralha a sagacidade; resplandece no dedo queimado e se cala no desenvolvimento de um câncer que em pouco tempo será fatal". Acontece que o ser humano não é uma máquina nem a dor um mecanismo, continua. O elo entre o primeiro e a segunda está costurado por ambivalência, afetividade e contextos socioculturais, que a tomografias não conseguem mapear.

Fonte: O Estado de S.Paulo.

Tenha um bom domingo. Sem dores!

Nenhum comentário:

Postar um comentário