terça-feira, 23 de junho de 2015

Opióide oferece alívio da dor para pacientes de Parkinson

June 22, 2015 - Combinado de liberação prolongada de oxicodona / naloxona (OXN PR) pode fornecer alívio para pacientes com dor severa relacionada com a doença de Parkinson, um estudo duplo-cego randomizado mostra.

Durante 16 semanas de tratamento, os pacientes que receberam OXN PR tiveram menos dor do que aqueles que tomaram placebo. As diferenças foram significativas em 4, 8 e 12 semanas, mas não na semana 16, que foi o objectivo primário.

No entanto, na apresentação dos resultados no European Academy of Neurology congress em Berlim, Alemanha, Anna Sauerbier (de King College de Londres, Reino Unido) observou que a diferença de 16 semanas se aproximou da significância estatística (p = 0,058) e atingiu-a na população por protocolo.

E apenas três dos 93 pacientes que receberam OXN PR desistiram por causa da falta de eficácia, em comparação com 14 dos 109 doentes a tomar placebo.

"Os profissionais de saúde parecem ser um pouco relutantes em usar opióides especificamente na doença de Parkinson, sem evidências de perfis de segurança, eficácia ou de efeitos colaterais", observou Sauerbier.

Após a fase duplo-cego, 64 pacientes do grupo OXN PR e 87 do grupo placebo entraram em uma fase aberta durante o qual todos receberam OXN PR.

Sauerbier destacou que a dose de opióides global utilizada durante esta fase foi menor entre os pacientes que estavam usando OXN PR desde o início do ensaio, e que a dose média de oxicodona utilizado, de 18,8 mg, foi menos de metade da dose máxima permitida e menor do que a dose inicial habitual de 20 mg utilizados na gestão geral da dor.

Todas as formas de dor relataram melhoras, mas a maior melhoria foi observada em dor noturna e também de dor músculo-esquelética. Este último também foi a forma mais comum de dor, ocorrendo em cerca de três quartos dos pacientes.

O perfil de efeitos secundários foi como previsto, Sauerbier relatou. A constipação foi mais freqüente no grupo OXN PR, mas não era grave.

Em resposta a uma pergunta da platéia, Sauerbier comentou que o tratamento com opióides não pareceu afetar o risco de alucinações, mas observou que a dose total utilizada foi relativamente baixa e resultados diferentes podem emergir em doses mais elevadas.

No entanto, ela descreveu o estudo como um piloto e disse serem necessárias mais pesquisas. (original em inglês, tradução Google, revisão Hugo) Fonte: News Medical.

Nenhum comentário:

Postar um comentário